Mensagens

É Muuuuuiito Longe!

Amigos lisboetas, amigos que não são lisboetas, mas moram em Lisboa. (Ou, como diria o próprio lisboeta, "Lesboa")... O que dizer dessa estirpe maravilhosa, nada egocêntrica e preguiçosa? Enfim, vamos ao que interessa...

Moro na Margem Sul desde que nasci, com muito orgulho, porque MS não é só uma zona para viver, é um estado de espírito! Desde que me lembro de ser gente que os transportes para Lisboa, e de Lisboa para a Margem Sul, sempre foram melhores e mais frequentes do que propriamente os transportes dentro da Margem Sul. Isto faz com que muita gente que aqui mora prefira Lisboa para sair à noite, para passear e para trabalhar (embora este último se deva a muitos outros factores também).

O que é que acontece quando habituamos as pessoas (lisboetas) a sermos sempre nós a deslocarmo-nos? Eles ganham aquela impressão de que temos quase essa obrigação. "Queres sair, então tens de vir à capital, afinal de contas isso aí é o deserto...". E ai de nós se dissermos qu…

And suddenly everything was crystal clear... II

No meio desta amálgama, ele voltou. E tu deixaste-me tão despedaçada que eu não queria ceder a mais ninguém. Eu lembrava-me do porquê de não ter cedido anteriormente. Conheço-me bem. Quase me apaixonei a sério da primeira vez, o que não era nada boa ideia, tendo em conta que ele não iria ficar. Mas eu tenho esta mania de montar armadilhas para mim própria, não sei por que raio. Ele voltou e eu não consegui resistir durante muito tempo. Já havia demasiada tensão acumulada. E quando dei por mim, lá estava eu apanhada na armadilha que eu própria criei. E por alguma razão achei por bem deitar fora a chave. Agora não sei como saio daqui.
De repente toda aquela paixão de Verão apoderou-se de mim novamente. E eu consciente que não deveria ter deixado, pois vai correr-me mal. Sabes quando estás prestes a cair no abismo e consegues-te segurar, e do nada algo te empurra para a frente... e já foste.
Mas se pensarmos positivo, pior do que já estou, não vou ficar. É aquele típico pensamento do por…

And suddenly everything was crystal clear...

Quatro anos. Quatro anos a alimentar um sentimento com doses racionadas, apenas para ele não morrer. Deixando-o adormecido, à espera que eventualmente se desvanecesse. Já estava conformada que nada aconteceria. Já nem sequer tentava, apenas queria manter a amizade. Até que tu deste aquele passo em frente, apanhaste-me de surpresa. Disseste exactamente aquilo que eu queria ouvir, sabias perfeitamente o que eu queria ouvir. Eu disse que sim a praticamente tudo, porque já não estava no comando das minhas acções. Todos os calafrios, todas as borboletas no estômago invadiram-me, turvando a minha mente.
"Não eras tu que querias namorar comigo?" - eu disse que sim. Tu sabias que eu diria que sim.
Este teu devaneio repentino durou dois dias. De repente lembraste-te que afinal não querias uma namorada. De repente, por algum motivo que continuo sem conhecer, também já não querias uma amiga.
Primeiro senti-me triste. Magoada. Abandonada. Depois veio a raiva. Senti-me manipulada e usada…

"Problema de Expressão"

Por que é que é tão difícil dizer que te amo?
Há quase quatro anos...
tentei varrer-te para outro compartimento, convencer-me que somos apenas amigos, que és apenas meu amigo, durante quatro anos...
Tentei substituir-te, mas ninguém consegue competir.
Hoje, pela primeira vez em tanto tempo, senti vontade de chorar. Não sei se por tristeza ou por simplesmente me sentir presa neste impasse, do digo ou não digo, do falo ou não falo.
Conheço-me bem o suficiente para saber que os meus sentimentos não morrem assim, mas nos últimos meses tornou-se mais real que nunca. Apanho-me a sorrir de forma desajeitada e tímida cada vez que entras por aquela porta. No outro dia tive de fazer força para impedir os músculos das bochechas de se contrairem. Não consigo controlar os risos quando olhas para mim. Nem sei onde vou arranjar forças para controlar os impulsos que tenho, a vontade de te tocar e abraçar.
Se não é amor, não sei o que pode ser...
Não sei se quero sentir isto... não quero sentir isto s…

"Gosto de ti"... não deveria ser tão difícil

*2002/2003* Lembro-me de estares sentado na carteira à minha frente, estávamos no 9ª ano, não me recordo qual era a disciplina. Tinha emprestado o meu corrector e precisava dele de volta; o T. disse que só mo devolvia se eu te dissesse que gostava de ti. Eu encolhi os ombros e disse "está bem". Chamei-te, dando-te umas palmadinhas no ombro e, quando te viraste, disse "gosto de ti", ao que tu respondeste, com aquele teu típico sorriso estampado na cara, "eu sei!". O T. devolveu-me o corrector com um ar de derrotado, tinha sido demasiado fácil.

Exactamente porque nessa altura era tão mais fácil para mim. Era tão mais desbocada e confiante. É suposto encararmos as coisas de forma mais natural conforme vamos ficando mais velhos, ou pelo menos é essa a banha da cobra que nos vendem, principalmente durante a adolescência. Então porque é que isso não acontece? Porque é que hoje em dia é tão díficil dizer a alguém que se gosta dela, mesmo sendo apenas uma simples…

It was an Epic Dream (literally)

I dreamt about you last night. We were fooling around, as usual, and you were making fun of me for some reason I cannot recall. Then suddenly you pushed me against the wall and kissed me. It felt so real I can still sense it.

All of a sudden the scenario completely changed. We were in the medieval ages. Dreams can be confusing sometimes, so I'll try to recount what I remember. There were factions, four I think, all with their own banners, and for each a girl representing them. And they were competing, some sort of trials. I was one of the girls. For you to get the vision of it, it was basically Harry Potter meets Games of Thrones. The winner got to be with you, you were the prize. It's like my subconscious was telling me that I need to pass the trials to be with you.

The games are now just a blur in my mind, I can only remember fragments of it; for instance, one was to collect the higher amount of coins I could find before everything in the village caught fire (weird, right?).

cold-blooded, soulless being

I am a cold-blooded, soulless being wandering the earth. That is what I've become. At least that is what you made up in your mind. In your sickening and twisted perception of me, I am just a bitch.
You say I do not talk much. In truth, I think I just do not talk about the things you want me to. I refuse to do the things you want just to please you. And if that makes me a bitch, then be it: I'll be a bitch before your eyes!

What you do not understand is that I don't talk because sometimes it hurts. It hurts me to be unable to say how I really feel since even I cannot describe it. It hurts me to core wanting to speak my mind and to not find the words. Some things cannot be conveyed by verbalization, they're too complex. So I shut them out of conversations. I keep it all to myself, although I know it harms me. But I guess that's my burden.

Then I start feeling numb. I feel numb because once I felt too much. There's just so much emotion you can take before you expl…