Avançar para o conteúdo principal

"Gosto de ti"... não deveria ser tão difícil

*2002/2003* Lembro-me de estares sentado na carteira à minha frente, estávamos no 9ª ano, não me recordo qual era a disciplina. Tinha emprestado o meu corrector e precisava dele de volta; o T. disse que só mo devolvia se eu te dissesse que gostava de ti. Eu encolhi os ombros e disse "está bem". Chamei-te, dando-te umas palmadinhas no ombro e, quando te viraste, disse "gosto de ti", ao que tu respondeste, com aquele teu típico sorriso estampado na cara, "eu sei!". O T. devolveu-me o corrector com um ar de derrotado, tinha sido demasiado fácil.

Exactamente porque nessa altura era tão mais fácil para mim. Era tão mais desbocada e confiante. É suposto encararmos as coisas de forma mais natural conforme vamos ficando mais velhos, ou pelo menos é essa a banha da cobra que nos vendem, principalmente durante a adolescência. Então porque é que isso não acontece? Porque é que hoje em dia é tão díficil dizer a alguém que se gosta dela, mesmo sendo apenas uma simples amizade? Porque é que nunca há uma reacção? Porque é que um pré-adolescente de 13/14 anos, no auge da palermice típica da idade, responde sorrindo, e um adulto não tem bolas sequer para reagir, deixando pura e simplesmente de falar?

Bom, de um modo geral, a sociedade está cada vez mais alienada. Estamos todos muito mais perto uns dos outros do que estávamos há 15 anos atrás, mesmo que a distância física seja de vários quilómetros, estamos literalmente à distância de um clique. No entanto, estamos cada vez mais isolados. A facilidade de comunicação de hoje fez com que tomássemos como garantidas as pessoas que temos à nossa volta. "Se não falar com ele/a hoje, falo amanhã". E contra mim argumento também, que não estou aqui a tentar parecer superior a ninguém. Já não precisamos de dizer que gostamos uns dos outros, ou de o demonstrar, pois se não o fizermos hoje, podemos fazê-lo amanhã, é só mandar mensagem... Ou não, porque amanhã podemos estar a atravessar uma rua e não chegar ao outro lado do passeio.

*2014/2015* Perdi a conta à quantidade de mensagens que tu não respondeste. Gostava de ti e tu sabias, porque mesmo que eu não te tivesse dito, até um cego conseguia vê-lo. Quando te convidava para tomar café para poder esclarecer as coisas ficava sempre no vácuo. Ou não respondias, ou dizias que não ia dar. De repente tudo ficou estranho, o ambiente ficou pesado no trabalho. Estavas claramente chateado com alguma coisa, não me quiseste dizer o quê e eu respeito isso, mas descarregaste em mim. Fosse lá o que fosse que estivesse a transtornar-te, projectaste em mim. Quase, quase se foi uma amizade. Três anos se passaram e nem um pedido de desculpa. Continuamos amigos, porém, nenhum de nós fala do assunto, é como passar por um sem abrigo e continuar a andar, ignorando.

Numa nota mais pessoal, eu nunca fui boa a exprimir sentimentos com palavras, sou muito melhor a demonstrá-los com as minhas atitudes. Posso não dizer todos os dias que gosto de alguém, mas se estou lá quando precisas de mim ou quando me pedes, podes ter a certeza que é porque gosto de ti (isso, ou porque às vezes sou parva, também há essa variante). Não obstante, foi-se tornando cada vez mais complicado expor os meus sentimentos com o passar dos anos. É uma revolta no estômago, uma ansiedade crescente, um tremor por todo o corpo cada vez que tenho de expressar o apreço por alguém. Até há pouco tempo, eu não percebia a razão. Tornei-me fria e distante aos olhos das pessoas que não me são chegadas provavelmente.

Como dizia, até há pouco tempo eu não percebia a razão de tais reacções físicas, culpava a minha timidez e pouco mais. Na realidade, é muito mais complexo do que isso. É o medo de ser magoada, e acabar desiludida e desapontada. Acabamos por nos afastar das pessoas e ficar recolhidos nos nossos "aposentos"quando o expectável é que nos magoem, porque isso tornou-se o pão nosso de cada dia. É o medo de ficar no vácuo, sem saber o que fazer a tanto sentimento. Não há pior coisa que ficar no vácuo.

*2017* "Gosto de ti"
             ":)"

A questão permanece: When the fuck did we become such shitty adults? Que é como quem diz: quando é que nos tornámos adultos tão merdosos?

Mensagens populares deste blogue

Personalidade Fraca ou Simplesmente Falta dela

Uma pessoa com personalidade fraca é alguém muito susceptível de ser levada "pela corrente", ou por alguém; é uma pessoa incapaz de tomar decisões sozinha e, quando o faz, acaba sempre por voltar atrás. Por exemplo, se estiver num café com um grupo de pessoas e todo esse grupo de pessoas diz que gosta de algo que esteja na moda, essa pessoa automaticamente diz que também gosta pois está na moda; por um lado porque não tem personalidade suficientemente forte para que consiga ir contra a maré, por outro lado porque quer ser aceite naquele grupo. É o tipo de pessoa que se alguém lhe diz para se atirar para um poço, atira-se! É capaz de baixar a cabeça a tudo o que os outros dizem (opiniões, obrigações, etc.) mesmo que não concorde.
Ultimamente tenho-me cruzado com alguns homens assim (não quero dizer nada com isto, sei que também existem mulheres assim): têm amigos e amigas, entretanto arranjam namorada e esta última não gosta dos amigos ou das amigas e diz-lhes para deixarem d…

Educação vs Formação

Muita gente confunde educação com formação; não são propriamente opostas, até porque se complementam, mas educação é mais do que ir à escola e aprender. Vejamos, formação pode ser entendida como apenas formação académica e formação profissional, no entanto educação não se pode resumir à educação escolar. Conheço muita gente sem graus académicos elevados e que são pessoas extremamente bem-educadas, da mesma forma conheço pessoas que já são Doutores e que são extremamente mal-educadas. A razão pela qual estou a escrever sobre isto é porque cada vez mais noto que na sociedade de hoje os valores se perdem e a educação fica para segundo plano em relação à formação; as pessoas dão mais importância a um Doutor mesmo que seja uma "besta quadrada", do que a uma pessoa bem-educada mas sem formação. Não falo aqui em termos laborais, porque nesse campo é claro que quem tem formação deve sobressair; mas falo em termos de relações interpessoais. Isto leva-me para outro assunto também pert…

It was an Epic Dream (literally)

I dreamt about you last night. We were fooling around, as usual, and you were making fun of me for some reason I cannot recall. Then suddenly you pushed me against the wall and kissed me. It felt so real I can still sense it.

All of a sudden the scenario completely changed. We were in the medieval ages. Dreams can be confusing sometimes, so I'll try to recount what I remember. There were factions, four I think, all with their own banners, and for each a girl representing them. And they were competing, some sort of trials. I was one of the girls. For you to get the vision of it, it was basically Harry Potter meets Games of Thrones. The winner got to be with you, you were the prize. It's like my subconscious was telling me that I need to pass the trials to be with you.

The games are now just a blur in my mind, I can only remember fragments of it; for instance, one was to collect the higher amount of coins I could find before everything in the village caught fire (weird, right?).