Avançar para o conteúdo principal

"Gosto de ti"... não deveria ser tão difícil

*2002/2003* Lembro-me de estares sentado na carteira à minha frente, estávamos no 9ª ano, não me recordo qual era a disciplina. Tinha emprestado o meu corrector e precisava dele de volta; o T. disse que só mo devolvia se eu te dissesse que gostava de ti. Eu encolhi os ombros e disse "está bem". Chamei-te, dando-te umas palmadinhas no ombro e, quando te viraste, disse "gosto de ti", ao que tu respondeste, com aquele teu típico sorriso estampado na cara, "eu sei!". O T. devolveu-me o corrector com um ar de derrotado, tinha sido demasiado fácil.

Exactamente porque nessa altura era tão mais fácil para mim. Era tão mais desbocada e confiante. É suposto encararmos as coisas de forma mais natural conforme vamos ficando mais velhos, ou pelo menos é essa a banha da cobra que nos vendem, principalmente durante a adolescência. Então porque é que isso não acontece? Porque é que hoje em dia é tão díficil dizer a alguém que se gosta dela, mesmo sendo apenas uma simples amizade? Porque é que nunca há uma reacção? Porque é que um pré-adolescente de 13/14 anos, no auge da palermice típica da idade, responde sorrindo, e um adulto não tem bolas sequer para reagir, deixando pura e simplesmente de falar?

Bom, de um modo geral, a sociedade está cada vez mais alienada. Estamos todos muito mais perto uns dos outros do que estávamos há 15 anos atrás, mesmo que a distância física seja de vários quilómetros, estamos literalmente à distância de um clique. No entanto, estamos cada vez mais isolados. A facilidade de comunicação de hoje fez com que tomássemos como garantidas as pessoas que temos à nossa volta. "Se não falar com ele/a hoje, falo amanhã". E contra mim argumento também, que não estou aqui a tentar parecer superior a ninguém. Já não precisamos de dizer que gostamos uns dos outros, ou de o demonstrar, pois se não o fizermos hoje, podemos fazê-lo amanhã, é só mandar mensagem... Ou não, porque amanhã podemos estar a atravessar uma rua e não chegar ao outro lado do passeio.

*2014/2015* Perdi a conta à quantidade de mensagens que tu não respondeste. Gostava de ti e tu sabias, porque mesmo que eu não te tivesse dito, até um cego conseguia vê-lo. Quando te convidava para tomar café para poder esclarecer as coisas ficava sempre no vácuo. Ou não respondias, ou dizias que não ia dar. De repente tudo ficou estranho, o ambiente ficou pesado no trabalho. Estavas claramente chateado com alguma coisa, não me quiseste dizer o quê e eu respeito isso, mas descarregaste em mim. Fosse lá o que fosse que estivesse a transtornar-te, projectaste em mim. Quase, quase se foi uma amizade. Três anos se passaram e nem um pedido de desculpa. Continuamos amigos, porém, nenhum de nós fala do assunto, é como passar por um sem abrigo e continuar a andar, ignorando.

Numa nota mais pessoal, eu nunca fui boa a exprimir sentimentos com palavras, sou muito melhor a demonstrá-los com as minhas atitudes. Posso não dizer todos os dias que gosto de alguém, mas se estou lá quando precisas de mim ou quando me pedes, podes ter a certeza que é porque gosto de ti (isso, ou porque às vezes sou parva, também há essa variante). Não obstante, foi-se tornando cada vez mais complicado expor os meus sentimentos com o passar dos anos. É uma revolta no estômago, uma ansiedade crescente, um tremor por todo o corpo cada vez que tenho de expressar o apreço por alguém. Até há pouco tempo, eu não percebia a razão. Tornei-me fria e distante aos olhos das pessoas que não me são chegadas provavelmente.

Como dizia, até há pouco tempo eu não percebia a razão de tais reacções físicas, culpava a minha timidez e pouco mais. Na realidade, é muito mais complexo do que isso. É o medo de ser magoada, e acabar desiludida e desapontada. Acabamos por nos afastar das pessoas e ficar recolhidos nos nossos "aposentos"quando o expectável é que nos magoem, porque isso tornou-se o pão nosso de cada dia. É o medo de ficar no vácuo, sem saber o que fazer a tanto sentimento. Não há pior coisa que ficar no vácuo.

*2017* "Gosto de ti"
             ":)"

A questão permanece: When the fuck did we become such shitty adults? Que é como quem diz: quando é que nos tornámos adultos tão merdosos?

Mensagens populares deste blogue

Personalidade Fraca ou Simplesmente Falta dela

Uma pessoa com personalidade fraca é alguém muito susceptível de ser levada "pela corrente", ou por alguém; é uma pessoa incapaz de tomar decisões sozinha e, quando o faz, acaba sempre por voltar atrás. Por exemplo, se estiver num café com um grupo de pessoas e todo esse grupo de pessoas diz que gosta de algo que esteja na moda, essa pessoa automaticamente diz que também gosta pois está na moda; por um lado porque não tem personalidade suficientemente forte para que consiga ir contra a maré, por outro lado porque quer ser aceite naquele grupo. É o tipo de pessoa que se alguém lhe diz para se atirar para um poço, atira-se! É capaz de baixar a cabeça a tudo o que os outros dizem (opiniões, obrigações, etc.) mesmo que não concorde.
Ultimamente tenho-me cruzado com alguns homens assim (não quero dizer nada com isto, sei que também existem mulheres assim): têm amigos e amigas, entretanto arranjam namorada e esta última não gosta dos amigos ou das amigas e diz-lhes para deixarem d…

Educação vs Formação

Muita gente confunde educação com formação; não são propriamente opostas, até porque se complementam, mas educação é mais do que ir à escola e aprender. Vejamos, formação pode ser entendida como apenas formação académica e formação profissional, no entanto educação não se pode resumir à educação escolar. Conheço muita gente sem graus académicos elevados e que são pessoas extremamente bem-educadas, da mesma forma conheço pessoas que já são Doutores e que são extremamente mal-educadas. A razão pela qual estou a escrever sobre isto é porque cada vez mais noto que na sociedade de hoje os valores se perdem e a educação fica para segundo plano em relação à formação; as pessoas dão mais importância a um Doutor mesmo que seja uma "besta quadrada", do que a uma pessoa bem-educada mas sem formação. Não falo aqui em termos laborais, porque nesse campo é claro que quem tem formação deve sobressair; mas falo em termos de relações interpessoais. Isto leva-me para outro assunto também pert…

Pensamento Hipotético (1)

Um dia alguém me disse, por eu ter enviado uma mensagem por engano que dizia qualquer coisa do género 'um dia vou-te fazer sorrir' (não me recordo bem), "tens uma visão demasido abstracta de mim", dando a entender ser impossível alguma vez eu o fazer sorrir (caso a mensagem fosse, de facto, para essa pessoa) ou até mesmo eu gostar assim tanto dele. Esta frase nunca me desceu da garganta, mas acabei por ignorar. No entanto, a nossa mente é perigosa e quando estamos mais em baixo acabamos por nos lembrar de tudo o que já nos magoou.

Ontem, estava eu a revirar-me na cama a tentar dormir quando essa bela expressão me veio à memória e pensei, ora bolas, como pode alguém, que constrói um muro de Berlim juntamente com uma muralha da China e não me deixa sequer ser sua amiga, ter a lata e o descaramento de dizer que eu tenho uma visão muito abstracta de si? Se tenho, não é por falta de tentativas minhas que ainda não deixei de ter; até pode não ser defeito e sim feitio, o fac…