Avançar para o conteúdo principal

Bolonha, estaria eu melhor sem ti??

A tentar focar-me na verdadeira razão que me levou a entrar para a faculdade de letras e tentar fazer o meu curso não chumbando a nenhuma disciplina (algo que até agora estou a conseguir) e pôr de parte todo o excremento que fede lá dentro!
Desculpem-me a expressão tão depreciativa, mas receio que não dê para ser de outra forma, ora vejamos: a começar pelos funcionários da secretaria, que cada vez que alguém vai lá pedir uma informação tratam-nos como atrasadinhos mentais e a sua resposta preferida é "está tudo no site da faculdade", e aí eu penso: se está tudo no site da faculdade você não está aqui a fazer nada, podia ir para casa então, podia ser que me baixassem as propinas já que teriam menos um ordenado para pagar! Ah e já que falo em propinas, sou eu que as estou a pagar, mereço no mínimo que me tratem como deve ser e não como uma atrasadinha mental!! Obrigadinha sim?

Depois temos determinados professores, que de certo não conhecem a realidade da faculdade onde trabalham e depois descontam nos alunos, como foi o caso de uma professora minha que, logo na primeira aula, me causou extrema má impressão devido ao seu discurso contra as sobreposições alegando: "se têm sobreposições com esta disciplina o melhor é anulá-la, pois não a vão conseguir fazer se não vierem às aulas todas!" - esta senhora não tem noção da bosta cagada (desculpem a expressão outra vez) que são os horários da faculdade, que, para conseguirmos ter/escolher disciplinas que tenham lógica no nosso plano de estudos, das duas, uma ou ficam com sobreposições ou ficam sem horas de almoço! Ou então fica mesmo um horário que não lembra nem ao Menino Jasus! Temos também aqueles que, apesar de dizerem que estamos na faculdade para aprendermos a pensar por nós, limitam-nos o pensamento e fazem-nos sentir como se estivéssemos a ser formatados conforme a sua vontade. E agora vocês pensam: então por que é que ninguém faz nada? Porque se abrirmos a boca ainda somos chumbados, porque os Srs Professores é que sabem!

E isto prende-se com a cereja no topo do bolo, que é a esplendorosa organização da faculdade, que é tão mas tão esplendorosa que até me fere a vista e me deixa paneleira dos ouvidos! Nem exames temos, só temos direito a um exame por ano, ou pelos menos é o que toda a gente pensa, incluindo professores, pois já me vieram dizer que afinal temos direito a todos os exames - mais uma prova da excelente organização, uns funcionários da secretaria dizem uma coisa, outros dizem outra, enfim - dizem que era para evitar tantas faltas dos alunos, e por causa de uns faltarem só porque sim, outros pagam as favas!

Para culminar, gastam dinheiro em portas novas, no entanto os computadores das salas de aula e da sala de internet são mais velhos que a Sé de Braga e nada de os actualizar; o Pavilhão Novo mais parece um Pavilhão Vindo Do Tempo Da Guerra Civil com bocados de tecto a cair, falta de mosaicos no chão, portas das casas de banho sem fechadura, entre outras coisas... ah mas claro, para o meu estudo dá-me imenso jeito ter umas portas de vidro novas na faculdade, faz toda a diferença!

Quanto a referência a Bolonha no título deste post, é só porque sinto que nos tratam como criancinhas de infantário em certos assuntos (como por exemplo faltas) mas depois atiram-nos à cara que somos infantilóides, principalmente quando tentamos explicar alguma coisa, ou o porquê de termos faltado, ou porque não sabemos fazer nada por nós próprios... que faculdade mais bipolar.

Mensagens populares deste blogue

Personalidade Fraca ou Simplesmente Falta dela

Uma pessoa com personalidade fraca é alguém muito susceptível de ser levada "pela corrente", ou por alguém; é uma pessoa incapaz de tomar decisões sozinha e, quando o faz, acaba sempre por voltar atrás. Por exemplo, se estiver num café com um grupo de pessoas e todo esse grupo de pessoas diz que gosta de algo que esteja na moda, essa pessoa automaticamente diz que também gosta pois está na moda; por um lado porque não tem personalidade suficientemente forte para que consiga ir contra a maré, por outro lado porque quer ser aceite naquele grupo. É o tipo de pessoa que se alguém lhe diz para se atirar para um poço, atira-se! É capaz de baixar a cabeça a tudo o que os outros dizem (opiniões, obrigações, etc.) mesmo que não concorde.
Ultimamente tenho-me cruzado com alguns homens assim (não quero dizer nada com isto, sei que também existem mulheres assim): têm amigos e amigas, entretanto arranjam namorada e esta última não gosta dos amigos ou das amigas e diz-lhes para deixarem d…

Educação vs Formação

Muita gente confunde educação com formação; não são propriamente opostas, até porque se complementam, mas educação é mais do que ir à escola e aprender. Vejamos, formação pode ser entendida como apenas formação académica e formação profissional, no entanto educação não se pode resumir à educação escolar. Conheço muita gente sem graus académicos elevados e que são pessoas extremamente bem-educadas, da mesma forma conheço pessoas que já são Doutores e que são extremamente mal-educadas. A razão pela qual estou a escrever sobre isto é porque cada vez mais noto que na sociedade de hoje os valores se perdem e a educação fica para segundo plano em relação à formação; as pessoas dão mais importância a um Doutor mesmo que seja uma "besta quadrada", do que a uma pessoa bem-educada mas sem formação. Não falo aqui em termos laborais, porque nesse campo é claro que quem tem formação deve sobressair; mas falo em termos de relações interpessoais. Isto leva-me para outro assunto também pert…

It was an Epic Dream (literally)

I dreamt about you last night. We were fooling around, as usual, and you were making fun of me for some reason I cannot recall. Then suddenly you pushed me against the wall and kissed me. It felt so real I can still sense it.

All of a sudden the scenario completely changed. We were in the medieval ages. Dreams can be confusing sometimes, so I'll try to recount what I remember. There were factions, four I think, all with their own banners, and for each a girl representing them. And they were competing, some sort of trials. I was one of the girls. For you to get the vision of it, it was basically Harry Potter meets Games of Thrones. The winner got to be with you, you were the prize. It's like my subconscious was telling me that I need to pass the trials to be with you.

The games are now just a blur in my mind, I can only remember fragments of it; for instance, one was to collect the higher amount of coins I could find before everything in the village caught fire (weird, right?).