De 2007 a 2012

Isto não é suposto ser um texto lamechas, por isso perdoem-me se começar a sê-lo em algum momento. Em 2007 conheci uma pessoa que mudou, quase que radicalmente, a minha maneira de ver a vida. Mudou a minha maneira de encarar um amor e uma amizade. Quando digo que mudou é lógico que, penso eu, foi para melhor. Apesar de toda a turbulência pela qual passámos, eu e ele, a nossa amizade continua firme e hirta que nem uma barra de ferro (lol), porque simplesmente há coisas inabaláveis e a nossa amizade é uma delas. Mas todos esses obstáculos fizeram-me crescer, aceitando coisas que não posso mudar, ensinando-me a não ter medo dos obstáculos, mostrando-me que perdoar é necessário para se viver em paz. Sou por natureza uma pessoa rancorosa, não esqueço facilmente os males que me fazem mesmo quando digo que desculpo; essa pessoa mostrou-me que, por vezes, para se salvar algo mais valioso, como uma amizade, tem que se passar por cima desses rancores. O que não significa necessariamente que deixemos que nos voltem a fazer o mesmo que nos magoou, apenas reconhecer o arrependimento da pessoa (caso exista, óbvio) e perdoar. Isto também não significa que agora vamos perdoar tudo o que nos façam e voltar a estar/falar com as pessoas todas que já nos fizeram mal; como disse em cima, isto aplica-se quando o que está em causa é algo muito mais valioso, maior e digno do nosso perdão, uma amizade que não é uma amizade qualquer. [Pois é claro que existem pessoas que mais vale estarem afastadas de nós.]
Devo dizer que esta pessoa também me ensinou a não ter paciência para aturar defs*; a minha paciência para tal nunca foi muita, mas agora é mesmo nula. Deixei de ter paciência para aturar pessoas que estão constantemente de trombas, a fazer intrigas, a falar mal, que acham que sabem tudo sobre quem eu sou e por isso acham-se no direito de apontar o dedo (apontar o dedo não é o mesmo que criticar, atenção).
Agora deixo ir quem não interessa, já não tenho receio de parecer fria, arrogante ou antipática por deixar pessoas para trás; para quê mantermos alguém nas nossas vidas se não acrescentam nada de bom a estas?
Sim essa pessoa também me "ensinou" isto, embora não directamente. Deixo de falar com pessoas que não me cativam a longo prazo muito mais facilmente do que antes.



*não quero com esta expressão ofender ninguém, porque, sinceramente, apenas não me ocorre outra melhor de momento.

Mensagens populares deste blogue

Personalidade Fraca ou Simplesmente Falta dela

Educação vs Formação

Pensamento Hipotético (1)