Avançar para o conteúdo principal

Capítulo 5 - As memórias de Clarice

Acatei o que a minha mãe me disse e o Fernando nunca mais foi lá a casa, com muita pena minha. Disse-me que compreendeu, mas no fundo sei que ficou um pouco desapontado. Já não vinha falar comigo com tanta frequência na sala dos professores, nem me oferecia cafés como de costume. Creio que tal situação não se devia apenas ao facto de lhe ter dito que não poderia ir mais a minha casa, mas sim a alguns rumores que corriam pela escola que não abonavam muito a meu favor.

Lembro-me que fiquei até um pouco depois da aula ter terminado dentro da sala de aula, pois precisava de acabar de corrigir alguns testes. O João entrou na sala à cautela como se tivesse medo que eu o mandasse embora. João Lopes era o meu aluno mais aplicado, corriam rumores na escola de que o rapaz teria um fraquinho por mim, rumores esses aos quais eu nunca tinha ligado. Era alto, magro mas de corpo atlético, tinha o cabelo castanho e os olhos verdes; tinha dezasseis anos, mas a sua estatura e a sua face já com barba cerrada, embora sempre feita, faziam-no parecer mais velho. Aproximou-me da secretária e falou:
- Estou a incomodar, professora?
- Bom depende, se vieste tirar alguma dúvida sou toda ouvidos, caso contrário vais ter de me deixar acabar de corrigir os testes.
- Sim venho tirar uma dúvida. - respondeu hesitante.
- Então e qual é?
- Não tem a ver com a matéria professora.
- Tem a ver com o quê? Se precisas de ajuda por alguma razão diz; estou a trabalhar mas se for grave isto pode esperar.
- Queria fazer-lhe uma pergunta, sem querer faltar ao respeito. E, - continuou ele quando viu que eu ia começar a falar - deixe-me falar até ao fim primeiro. Alguma vez gostou de alguém mais velho por quem não era suposto se apaixonar, pois sabia que infringia regras, mas ao mesmo tempo não conseguia evitar os batimentos acelerados do seu coração de cada vez que via essa pessoa?
- Bem... assim de repente, acho que não. Mas porque queres saber isso?
- O que acha que uma pessoa deveria fazer numa situação destas?
- Não sei, por um lado penso que o amor não escolhe idades, mas se infringe regras se calhar não é boa ideia insistir nele. Mas... não me respondeste... porque é que queres saber?
O João saiu do local onde se encontrava: em frente à minha secretária; contornou-a fazendo-me rodar a cadeira para o lado esquerdo de modo a ficarmos frente a frente. Colocou as mãos em cima dos braços da cadeira e, antes que eu tivesse tempo de reagir, beijou-me. Não sei quanto tempo durou, mas pareceu uma eternidade desde que os nossos lábios se tocaram, fazendo-me sentir os seus macios, jovens e quentes, até que se separaram. Sei que aquilo não devia ter acontecido, no entanto não posso dizer que me foi completamente indiferente. Ele saiu sem dizer palavra e eu calada fiquei, talvez devido ao choque.

Mensagens populares deste blogue

Personalidade Fraca ou Simplesmente Falta dela

Uma pessoa com personalidade fraca é alguém muito susceptível de ser levada "pela corrente", ou por alguém; é uma pessoa incapaz de tomar decisões sozinha e, quando o faz, acaba sempre por voltar atrás. Por exemplo, se estiver num café com um grupo de pessoas e todo esse grupo de pessoas diz que gosta de algo que esteja na moda, essa pessoa automaticamente diz que também gosta pois está na moda; por um lado porque não tem personalidade suficientemente forte para que consiga ir contra a maré, por outro lado porque quer ser aceite naquele grupo. É o tipo de pessoa que se alguém lhe diz para se atirar para um poço, atira-se! É capaz de baixar a cabeça a tudo o que os outros dizem (opiniões, obrigações, etc.) mesmo que não concorde.
Ultimamente tenho-me cruzado com alguns homens assim (não quero dizer nada com isto, sei que também existem mulheres assim): têm amigos e amigas, entretanto arranjam namorada e esta última não gosta dos amigos ou das amigas e diz-lhes para deixarem d…

Educação vs Formação

Muita gente confunde educação com formação; não são propriamente opostas, até porque se complementam, mas educação é mais do que ir à escola e aprender. Vejamos, formação pode ser entendida como apenas formação académica e formação profissional, no entanto educação não se pode resumir à educação escolar. Conheço muita gente sem graus académicos elevados e que são pessoas extremamente bem-educadas, da mesma forma conheço pessoas que já são Doutores e que são extremamente mal-educadas. A razão pela qual estou a escrever sobre isto é porque cada vez mais noto que na sociedade de hoje os valores se perdem e a educação fica para segundo plano em relação à formação; as pessoas dão mais importância a um Doutor mesmo que seja uma "besta quadrada", do que a uma pessoa bem-educada mas sem formação. Não falo aqui em termos laborais, porque nesse campo é claro que quem tem formação deve sobressair; mas falo em termos de relações interpessoais. Isto leva-me para outro assunto também pert…

Pensamento Hipotético (1)

Um dia alguém me disse, por eu ter enviado uma mensagem por engano que dizia qualquer coisa do género 'um dia vou-te fazer sorrir' (não me recordo bem), "tens uma visão demasido abstracta de mim", dando a entender ser impossível alguma vez eu o fazer sorrir (caso a mensagem fosse, de facto, para essa pessoa) ou até mesmo eu gostar assim tanto dele. Esta frase nunca me desceu da garganta, mas acabei por ignorar. No entanto, a nossa mente é perigosa e quando estamos mais em baixo acabamos por nos lembrar de tudo o que já nos magoou.

Ontem, estava eu a revirar-me na cama a tentar dormir quando essa bela expressão me veio à memória e pensei, ora bolas, como pode alguém, que constrói um muro de Berlim juntamente com uma muralha da China e não me deixa sequer ser sua amiga, ter a lata e o descaramento de dizer que eu tenho uma visão muito abstracta de si? Se tenho, não é por falta de tentativas minhas que ainda não deixei de ter; até pode não ser defeito e sim feitio, o fac…