Avançar para o conteúdo principal

Herdeiros do Ódio

Esta história é ficção, mas podia muito bem encaixar-se na realidade como uma daquelas notícias que ouvimos de vez em quando nos telejornais de pessoas que foram mantidas reclusas em casa, sendo vítimas de abusos e violência.

Este livro conta a história da família Foxworth (mais conhecida por Dollaganger), constituída pelos pais e por quatro filhos, um rapaz que é o mais velho, uma rapariga, e dois gémeos, um menino e uma menina. Viviam uma vida tranquila e feliz até ao trágico dia em que o pai das crianças sofreu um acidente de viação fatal. Corrine, a mãe, não sabia o que fazer pois estava cheia de dívidas e não tinha estudos suficientes para poder trabalhar. Então decidiu que iriam para a casa dos pais dela. Mas isto não seria tão simples como parece, pois ela tinha sido expulsa de casa, havia 15 anos, juntamente com o pai das crianças, que mais tarde descobrem que era meio-tio da mãe, e ficaram ambos deserdados.

Os pais de Corrine eram excessivamente religiosos, vendo em tudo o pecado, então o pai dela (que estava acamado e quase a morrer) não poderia saber de maneira nenhuma que ela tinha tido filhos com o meio-tio, pois, segundo a avó das crianças, eram os frutos do Diabo. Ainda assim foram levados para a grande mansão dos avós, mas tiveram de ficar escondidos no sótão contra sua vontade, longe de tudo e de todos, sem poder ver ninguém, nem ninguém os ver a não ser a mãe e a avó que lhes levava comida todas as manhãs. Acreditaram nas promessas da mãe, de que iria reconquistar o avô deles de modo a que ele a incluísse de novo no testamento e assim que ele morresse eles sairiam dali e poderiam desfrutar de toda aquela riqueza. No entanto passaram-se dias, semanas, meses e anos, eles continuavam no sótão… o livro conta as violências que sofreram às mãos da avó, de como tiveram de crescer e descobrir sozinhos a adolescência estando enclausurados, como a mãe mudou repentinamente de hábitos e também os planos de fuga das crianças daquele maldito sótão…

Mensagens populares deste blogue

Personalidade Fraca ou Simplesmente Falta dela

Uma pessoa com personalidade fraca é alguém muito susceptível de ser levada "pela corrente", ou por alguém; é uma pessoa incapaz de tomar decisões sozinha e, quando o faz, acaba sempre por voltar atrás. Por exemplo, se estiver num café com um grupo de pessoas e todo esse grupo de pessoas diz que gosta de algo que esteja na moda, essa pessoa automaticamente diz que também gosta pois está na moda; por um lado porque não tem personalidade suficientemente forte para que consiga ir contra a maré, por outro lado porque quer ser aceite naquele grupo. É o tipo de pessoa que se alguém lhe diz para se atirar para um poço, atira-se! É capaz de baixar a cabeça a tudo o que os outros dizem (opiniões, obrigações, etc.) mesmo que não concorde.
Ultimamente tenho-me cruzado com alguns homens assim (não quero dizer nada com isto, sei que também existem mulheres assim): têm amigos e amigas, entretanto arranjam namorada e esta última não gosta dos amigos ou das amigas e diz-lhes para deixarem d…

Educação vs Formação

Muita gente confunde educação com formação; não são propriamente opostas, até porque se complementam, mas educação é mais do que ir à escola e aprender. Vejamos, formação pode ser entendida como apenas formação académica e formação profissional, no entanto educação não se pode resumir à educação escolar. Conheço muita gente sem graus académicos elevados e que são pessoas extremamente bem-educadas, da mesma forma conheço pessoas que já são Doutores e que são extremamente mal-educadas. A razão pela qual estou a escrever sobre isto é porque cada vez mais noto que na sociedade de hoje os valores se perdem e a educação fica para segundo plano em relação à formação; as pessoas dão mais importância a um Doutor mesmo que seja uma "besta quadrada", do que a uma pessoa bem-educada mas sem formação. Não falo aqui em termos laborais, porque nesse campo é claro que quem tem formação deve sobressair; mas falo em termos de relações interpessoais. Isto leva-me para outro assunto também pert…

Pensamento Hipotético (1)

Um dia alguém me disse, por eu ter enviado uma mensagem por engano que dizia qualquer coisa do género 'um dia vou-te fazer sorrir' (não me recordo bem), "tens uma visão demasido abstracta de mim", dando a entender ser impossível alguma vez eu o fazer sorrir (caso a mensagem fosse, de facto, para essa pessoa) ou até mesmo eu gostar assim tanto dele. Esta frase nunca me desceu da garganta, mas acabei por ignorar. No entanto, a nossa mente é perigosa e quando estamos mais em baixo acabamos por nos lembrar de tudo o que já nos magoou.

Ontem, estava eu a revirar-me na cama a tentar dormir quando essa bela expressão me veio à memória e pensei, ora bolas, como pode alguém, que constrói um muro de Berlim juntamente com uma muralha da China e não me deixa sequer ser sua amiga, ter a lata e o descaramento de dizer que eu tenho uma visão muito abstracta de si? Se tenho, não é por falta de tentativas minhas que ainda não deixei de ter; até pode não ser defeito e sim feitio, o fac…