Avançar para o conteúdo principal

Capítulo 1


Há três anos atrás Clarice era uma jovem mulher de vinte e sete anos, Professora de Inglês, praticamente acabada de se formar. Desde que se lembra os rapazes caíam aos seus pés, era de facto uma mulher muito atraente, o seu cabelo castanho claro caía-lhe pelas costas terminando em leves ondas, os olhos eram meigos mas audazes, cor de avelã. O seu rosto era delicado e extremamente feminino, não era nem muito pálida, nem muito morena. No entanto, nunca tivera muita sorte no que toca ao amor verdadeiro. Morava em Lisboa, cidade onde estudou, mas quando acabou o curso teve de ir viver para a terra da sua mãe, em Castelo Branco, pois esta encontrava-se doente e precisava de alguém que cuidasse dela. Clarice tinha apenas um irmão mais velho, mas este encontrava-se na Suíça, país para onde emigrou nos anos 90. O pai tinha morrido há dois anos, deixando a mãe sozinha lá na terra, o que só veio agravar a sua doença. A Sra. Lopes sofria de reumatismo e a doença já estava bastante avançada, já não conseguia andar porque desde que o marido morreu deixara de se preocupar consigo, de fazer caminhadas, de tratar da horta, resignava-se a estar dentro de casa e se não fosse a filha a fazer a comida, teria deixado de se alimentar. Clarice desconfiava que a mãe tinha caído em depressão depois da morte do pai, o que se veio a confirmar na última visita ao médico.
A vida de Clarice mudou completamente depois de ter ido viver para a terra, teve de deixar tudo para trás, inclusive boas propostas de emprego, porque a mãe recusava-se a ir para um lar a tempo inteiro, indo para lá só durante o dia quando a filha estava a trabalhar e, mesmo assim, foi bastante difícil para Clarice convencer a mãe. Embora tenha sido uma mudança brusca, não se podia queixar, tinha arranjado emprego na Escola Secundária, como professora de Inglês. Apesar das circunstâncias foram três anos muito proveitosos para a carreira de Clarice. 

Mensagens populares deste blogue

Personalidade Fraca ou Simplesmente Falta dela

Uma pessoa com personalidade fraca é alguém muito susceptível de ser levada "pela corrente", ou por alguém; é uma pessoa incapaz de tomar decisões sozinha e, quando o faz, acaba sempre por voltar atrás. Por exemplo, se estiver num café com um grupo de pessoas e todo esse grupo de pessoas diz que gosta de algo que esteja na moda, essa pessoa automaticamente diz que também gosta pois está na moda; por um lado porque não tem personalidade suficientemente forte para que consiga ir contra a maré, por outro lado porque quer ser aceite naquele grupo. É o tipo de pessoa que se alguém lhe diz para se atirar para um poço, atira-se! É capaz de baixar a cabeça a tudo o que os outros dizem (opiniões, obrigações, etc.) mesmo que não concorde.
Ultimamente tenho-me cruzado com alguns homens assim (não quero dizer nada com isto, sei que também existem mulheres assim): têm amigos e amigas, entretanto arranjam namorada e esta última não gosta dos amigos ou das amigas e diz-lhes para deixarem d…

Educação vs Formação

Muita gente confunde educação com formação; não são propriamente opostas, até porque se complementam, mas educação é mais do que ir à escola e aprender. Vejamos, formação pode ser entendida como apenas formação académica e formação profissional, no entanto educação não se pode resumir à educação escolar. Conheço muita gente sem graus académicos elevados e que são pessoas extremamente bem-educadas, da mesma forma conheço pessoas que já são Doutores e que são extremamente mal-educadas. A razão pela qual estou a escrever sobre isto é porque cada vez mais noto que na sociedade de hoje os valores se perdem e a educação fica para segundo plano em relação à formação; as pessoas dão mais importância a um Doutor mesmo que seja uma "besta quadrada", do que a uma pessoa bem-educada mas sem formação. Não falo aqui em termos laborais, porque nesse campo é claro que quem tem formação deve sobressair; mas falo em termos de relações interpessoais. Isto leva-me para outro assunto também pert…

Pensamento Hipotético (1)

Um dia alguém me disse, por eu ter enviado uma mensagem por engano que dizia qualquer coisa do género 'um dia vou-te fazer sorrir' (não me recordo bem), "tens uma visão demasido abstracta de mim", dando a entender ser impossível alguma vez eu o fazer sorrir (caso a mensagem fosse, de facto, para essa pessoa) ou até mesmo eu gostar assim tanto dele. Esta frase nunca me desceu da garganta, mas acabei por ignorar. No entanto, a nossa mente é perigosa e quando estamos mais em baixo acabamos por nos lembrar de tudo o que já nos magoou.

Ontem, estava eu a revirar-me na cama a tentar dormir quando essa bela expressão me veio à memória e pensei, ora bolas, como pode alguém, que constrói um muro de Berlim juntamente com uma muralha da China e não me deixa sequer ser sua amiga, ter a lata e o descaramento de dizer que eu tenho uma visão muito abstracta de si? Se tenho, não é por falta de tentativas minhas que ainda não deixei de ter; até pode não ser defeito e sim feitio, o fac…