Coisas que fascinam

" - A Catherine é uma romântica?
- E o Bart, não?
- Não sei. Quando era novo, costumava ser.
- Que é que o fez mudar?
- Não se pode continuar a ser romantico quando se cursa Direito e se encaram realidades duras como assassínio, violação, roubo e corrupção. Os professores enfiam-nos ideias dogmáticas na cabeça que afastam qualquer tipo ideia romântica. Entra-se na faculdade de Direito jovem e inocente, sai-se de lá empedernido e manhoso, ciente de que há todo um caminho de luta a percorrer para se ser minimamente competente. Não tarda que se saiba que não se é o melhor e que a concorrência é assustadora. - Virou-se para mim e sorriu-me encantadora e cativantemente. - No entanto, acho que nós temos muito em comum, Catherine Dahl. Também eu sinto essa necessidade do misterioso, do desafio, de ter alguém a quem idolatrar, de modo que me apaixonei por uma herdeira de milhões, mas esse milhões que ela desejava representavam um obstáculo para mim, afastavam-me e assustavam-me. Sei que todos pensariam que a desposava só pelo dinheiro, e acho que Corrine imaginou essa possibilidade até eu a convencer do contrário. Apaixonei-me irremediavelmente por ela ainda sem saber quem era, na verdade, acho que se parecia com a Catherine. "

Excerto do livro "Pétalas ao Vento" (Petals on the Wind), por V.C. Andrews, pág. 339

Mensagens populares deste blogue

Personalidade Fraca ou Simplesmente Falta dela

Educação vs Formação

Pensamento Hipotético (1)