Avançar para o conteúdo principal

O que, de facto, aconteceu - Parte 1

[2009 foi um ano atribulado; fui vítima e culpada de algo que me deixou arisca ao sexo oposto, deixei de querer estar perto deles, sentia repulsa cada vez que alguém me queria tocar, não suportava sequer piadas, ainda que inofensivas. Comecei a ter ataques de ansiedade por tudo e por nada, acabei por construir uma barreira, deixei de falar e de aceitar pedidos de amizade, pus de lado números de telefone. Confesso que cheguei mesmo a pensar que o melhor seria tornar-me lésbica, o que não aconteceu pois não podemos lutar contra a nossa natureza, seja ela qual for.

Juntamente com isto vieram os problemas com amigos e, para culminar, já no final deste ano deixei que a minha vida pessoal interferisse com a faculdade; não me conseguia concentrar nas aulas, embora o esforço fosse enorme…]


Outubro 2009

Tinha chegado da faculdade e precisava de estudar para Fisiologia do Exercício, então liguei o portátil e em seguida a internet, com o objectivo de ir buscar os apontamentos à plataforma de eLearning. Não sei precisar as horas, mas deviam perto de seis da tarde quando liguei o Messenger; quando todas as janelas estavam já abertas, abriu-se outra… era um convite do Messenger de um email que eu não conhecia. Fiquei relutante, era de um rapaz, estive com o cursor por cima da opção “Não, obrigado” durante o que me pareceu ser uma eternidade, mas devem ter sido no máximo 4 minutos, No último instante, sem saber porquê, aceitei o pedido e disse para mim: “seja o que Deus quiser, também não posso passar o resto da vida a pensar que toda a gente é igual”.

Fui preparar o jantar e, pensando no que tinha acabado de fazer, só esperava que a sobriedade do email correspondesse à personalidade de quem se encontrava do outro lado, caso contrário iria arrepender-me de ter baixado a guarda e aliviado a barreira que psicologicamente construíra.

Acabei de jantar e voltei para o quarto, tirei o computador do descanso e fui ver o que havia de novo. Uma nova janela de conversação tinha sido aberta, era o rapaz que eu tinha aceitado antes do jantar, dizia simplesmente “hmm oi”. Acabei por não responder pois ele já se encontrava offline.

Quase um mês depois, muito mais perto da frequência, cheguei da faculdade novamente atrapalhada para estudar Fisiologia e, mais uma vez, liguei o portátil. O ritual manteve-se, exceptuando o download de apontamentos. Depois do jantar voltei para a matéria de FE e para o computador, tal como no dia anterior, tinha outra vez uma janela de conversação aberta. Desta vez pude responder, apesar de já terem passado alguns minutos, ele estava online.

(cont.)

Mensagens populares deste blogue

Personalidade Fraca ou Simplesmente Falta dela

Uma pessoa com personalidade fraca é alguém muito susceptível de ser levada "pela corrente", ou por alguém; é uma pessoa incapaz de tomar decisões sozinha e, quando o faz, acaba sempre por voltar atrás. Por exemplo, se estiver num café com um grupo de pessoas e todo esse grupo de pessoas diz que gosta de algo que esteja na moda, essa pessoa automaticamente diz que também gosta pois está na moda; por um lado porque não tem personalidade suficientemente forte para que consiga ir contra a maré, por outro lado porque quer ser aceite naquele grupo. É o tipo de pessoa que se alguém lhe diz para se atirar para um poço, atira-se! É capaz de baixar a cabeça a tudo o que os outros dizem (opiniões, obrigações, etc.) mesmo que não concorde.
Ultimamente tenho-me cruzado com alguns homens assim (não quero dizer nada com isto, sei que também existem mulheres assim): têm amigos e amigas, entretanto arranjam namorada e esta última não gosta dos amigos ou das amigas e diz-lhes para deixarem d…

Educação vs Formação

Muita gente confunde educação com formação; não são propriamente opostas, até porque se complementam, mas educação é mais do que ir à escola e aprender. Vejamos, formação pode ser entendida como apenas formação académica e formação profissional, no entanto educação não se pode resumir à educação escolar. Conheço muita gente sem graus académicos elevados e que são pessoas extremamente bem-educadas, da mesma forma conheço pessoas que já são Doutores e que são extremamente mal-educadas. A razão pela qual estou a escrever sobre isto é porque cada vez mais noto que na sociedade de hoje os valores se perdem e a educação fica para segundo plano em relação à formação; as pessoas dão mais importância a um Doutor mesmo que seja uma "besta quadrada", do que a uma pessoa bem-educada mas sem formação. Não falo aqui em termos laborais, porque nesse campo é claro que quem tem formação deve sobressair; mas falo em termos de relações interpessoais. Isto leva-me para outro assunto também pert…

Pensamento Hipotético (1)

Um dia alguém me disse, por eu ter enviado uma mensagem por engano que dizia qualquer coisa do género 'um dia vou-te fazer sorrir' (não me recordo bem), "tens uma visão demasido abstracta de mim", dando a entender ser impossível alguma vez eu o fazer sorrir (caso a mensagem fosse, de facto, para essa pessoa) ou até mesmo eu gostar assim tanto dele. Esta frase nunca me desceu da garganta, mas acabei por ignorar. No entanto, a nossa mente é perigosa e quando estamos mais em baixo acabamos por nos lembrar de tudo o que já nos magoou.

Ontem, estava eu a revirar-me na cama a tentar dormir quando essa bela expressão me veio à memória e pensei, ora bolas, como pode alguém, que constrói um muro de Berlim juntamente com uma muralha da China e não me deixa sequer ser sua amiga, ter a lata e o descaramento de dizer que eu tenho uma visão muito abstracta de si? Se tenho, não é por falta de tentativas minhas que ainda não deixei de ter; até pode não ser defeito e sim feitio, o fac…