Avançar para o conteúdo principal

What if... just let the possibilities come in.

Adoro filmes que me façam pensar, O Exorcismo de Emily Rose é um deles. Acabei de o ver e o que vou discutir nada tem a ver com a sua qualidade cinematográfica, deixo isso para os entendidos na matéria.
Este é aquele tipo de filme que nos faz pensar no que realmente é possível ou não, a ciência tem sempre explicação para tudo, mas será que tem mesmo?
Pessoalmente, e este texto vai ser praticamente baseado em convicções pessoais, acho o ser humano demasiado complexo a todos os níveis para que certos acontecimentos sejam explicados de forma tão "simples".

Eu acredito em Deus, sou católica, embora não me dedique muito à igreja, porque acredito que Deus realmente está em todo o lado, prefiro ter fé nele fazendo valer cada minuto da minha vida, fazendo bem aos que me rodeiam, obviamente que por vezes gosto de estar numa igreja... se o ambiente lá dentro valer a pena!
Filmes de espíritos sempre me marcam muito, pois desde que me lembro que tenho uma convicção (convicção essa que não foi, de modo algum, imposta por ninguém): sempre acreditei, por alguma razão, que pessoas próximas de nós que já partiram estão a olhar por nós, vêm-nos, vêm o que fazemos de bom e de mau! Pode parecer uma crença ridícula e infantil, mas, por alguma razão que eu não sei explicar, eu sinto isso.

Será que é real? Ou apenas o sinto porque acredito? Ou serão as duas coisas? Não tenho qualquer tipo de formação neste campo, mas uma coisa é certa a mente humana é uma enciclopédia sem fim...

Quando uma pessoa acredita muito em alguma coisa, pode realmente fazê-la acontecer, vejamos quando alguém se cura de alguma coisa sem uma explicação médica, como foi o caso do milagre do Papa João Paulo II: A mulher que ele curou, ficou curada porque acreditou, porque teve fé, acreditou que estar com o Papa a iria salvar e salvou!
O mesmo acontece com alguns medicamentos, muitas das vezes nós tomamos aquele tal comprimido porque dizemos que aquele é que nos faz bem; na realidade, se tomarmos constantemente um medicamento o nosso corpo habitua-se a ele e torna-se imune aos seus componentes, acabando por não surtir qualquer efeito, mas se, quando o tomamos, acreditarmos de facto que vai fazer efeito, o medicamento faz efeito, é psicológico.

É devido a factos como estes que eu não deixo de acreditar em coisas como o mau olhado, pois a inveja é um sentimento carregado de energias negativas, quando alguém inveja outra pessoa, podendo nem sequer ter noção do que lhe está a fazer, se o sentimento for realmente muito forte pode causar efeitos nocivos.

O que quero eu dizer com isto de acreditarmos muito em algo e o que isso tem a ver com espiritismo? Bom, as pessoas têm convicções, se realmente acreditam nelas com toda a sua fé, isso faz com que as coisas aconteçam. Se alguém crê que espíritos existem, faz com que a pessoa esteja mais aberta e mais apta para os ver... e sim é um fenómeno psicológico, mas também pode não ser apenas isso.
A ciência é feita pelo homem, o homem erra porque errar é humano e por vezes a ciência falha, mesmo assim nós não deixamos de acreditar nela; ora se acreditamos em algo que sabemos que pode falhar, porque não acreditarmos em algo que a ciência não sabe (ou não quer) explicar?
Nós não sabemos o que acontece depois de morrermos mas, como eu já disse num post deste blog, eu gosto de acreditar que isto não acaba aqui, senão que sentido teria aprendermos tanto nesta vida? Não valeria a pena, poderíamos apenas ficar sentados a ver os anos passarem à espera de morrer.

Se demónios existem? Por que não? Se existem pessoas más por natureza na terra, por não haverá de existir pessoas más noutro plano?
Se anjos existem? Por que não? Não é exactamente por haver pessoas boas e crentes na terra, que após a morte são beatificadas?

Eu nunca gostei de brincar com este tipo de coisas, não gosto de mexer com o desconhecido; é quase como aquela necessidade que nós temos de não abrir a porta de casa a estranhos. Não podemos limitar o ser humano ao seu físico (neste "físico" incluo o psicológico pois o cérebro é palpável) quando sabemos que libertamos energias, consequentemente ninguém pode dizer que a alma não existe, se a entendermos como uma energia divina ou não. Acho que não podemos ser egoístas ao ponto de acharmos que estamos "sozinhos", quando na realidade não temos a certeza.

Ou se calhar até poderíamos ter, porque estudos científicos já revelaram que não estamos "sozinhos":

"facts leave no room for possibilities"

Ps: "Enquanto o corpo se dissolve, os componentes espirituais prosseguem vivos. Esse elemento espiritual é formado pela própria consciência e o seu livre arbítrio. O homem existe sem o corpo físico" - Papa João Paulo II

Mensagens populares deste blogue

Personalidade Fraca ou Simplesmente Falta dela

Uma pessoa com personalidade fraca é alguém muito susceptível de ser levada "pela corrente", ou por alguém; é uma pessoa incapaz de tomar decisões sozinha e, quando o faz, acaba sempre por voltar atrás. Por exemplo, se estiver num café com um grupo de pessoas e todo esse grupo de pessoas diz que gosta de algo que esteja na moda, essa pessoa automaticamente diz que também gosta pois está na moda; por um lado porque não tem personalidade suficientemente forte para que consiga ir contra a maré, por outro lado porque quer ser aceite naquele grupo. É o tipo de pessoa que se alguém lhe diz para se atirar para um poço, atira-se! É capaz de baixar a cabeça a tudo o que os outros dizem (opiniões, obrigações, etc.) mesmo que não concorde.
Ultimamente tenho-me cruzado com alguns homens assim (não quero dizer nada com isto, sei que também existem mulheres assim): têm amigos e amigas, entretanto arranjam namorada e esta última não gosta dos amigos ou das amigas e diz-lhes para deixarem d…

Educação vs Formação

Muita gente confunde educação com formação; não são propriamente opostas, até porque se complementam, mas educação é mais do que ir à escola e aprender. Vejamos, formação pode ser entendida como apenas formação académica e formação profissional, no entanto educação não se pode resumir à educação escolar. Conheço muita gente sem graus académicos elevados e que são pessoas extremamente bem-educadas, da mesma forma conheço pessoas que já são Doutores e que são extremamente mal-educadas. A razão pela qual estou a escrever sobre isto é porque cada vez mais noto que na sociedade de hoje os valores se perdem e a educação fica para segundo plano em relação à formação; as pessoas dão mais importância a um Doutor mesmo que seja uma "besta quadrada", do que a uma pessoa bem-educada mas sem formação. Não falo aqui em termos laborais, porque nesse campo é claro que quem tem formação deve sobressair; mas falo em termos de relações interpessoais. Isto leva-me para outro assunto também pert…

Pensamento Hipotético (1)

Um dia alguém me disse, por eu ter enviado uma mensagem por engano que dizia qualquer coisa do género 'um dia vou-te fazer sorrir' (não me recordo bem), "tens uma visão demasido abstracta de mim", dando a entender ser impossível alguma vez eu o fazer sorrir (caso a mensagem fosse, de facto, para essa pessoa) ou até mesmo eu gostar assim tanto dele. Esta frase nunca me desceu da garganta, mas acabei por ignorar. No entanto, a nossa mente é perigosa e quando estamos mais em baixo acabamos por nos lembrar de tudo o que já nos magoou.

Ontem, estava eu a revirar-me na cama a tentar dormir quando essa bela expressão me veio à memória e pensei, ora bolas, como pode alguém, que constrói um muro de Berlim juntamente com uma muralha da China e não me deixa sequer ser sua amiga, ter a lata e o descaramento de dizer que eu tenho uma visão muito abstracta de si? Se tenho, não é por falta de tentativas minhas que ainda não deixei de ter; até pode não ser defeito e sim feitio, o fac…